5 Forças de Porter: A Sua Empresa Forte Contra a Concorrência!17 min read


O modelo das 5 forças de Porter permite analisar o grau de atratividade de um setor da economia.

Ele identifica os fatores que afetam a competitividade, dentre os quais uma das forças está dentro do próprio setor, sendo que os demais são externos.

As 5 forças de Porter englobam a análise do ambiente externo que pode ser realizada por meio do modelo de cinco forças da competitividade.

Este sistema foi desenvolvido por Michael Porter na década de 70.

Afirmam ainda que o entendimento das forças rivais de um ramo de negócios é essencial para o correto desenvolvimento do plano estratégico.

O modelo das cinco forças de Porter permite analisar o grau de atratividade de um setor da economia.

5 forças de porter

Ele identifica os fatores que afetam a competitividade, dentre os quais uma das forças está dentro do próprio setor, sendo que os demais são externos.

Utilizam dessas forças em uma empresa que afeta a sua capacidade para servir os seus clientes e obter lucros.

Uma mudança em qualquer uma das forças normalmente requer uma nova pesquisa (análise) para reavaliar o mercado.

Porter avalia que a estratégia competitiva de uma empresa deve aparecer a partir da abrangência das regras da concorrência que definem a atratividade de uma indústria.

As cinco forças de Porter é um modelo para a análise da competitividade do ambiente externo de uma empresa e o setor em que está inserida.

Este modelo foi criado por Michael Porter na década de 70.

O método também demonstra que compreender as forças rivais de um ramo de negócio é de extrema importância para que o desenvolvimento do seu plano estratégico seja bem sucedido.

O modelo das cinco forças de Porter possibilita checar o grau de atratividade de um setor da economia.

Esta ferramenta ajuda a identificar quais são os fatores que interferem na competitividade, dentre as quais uma das forças faz parte do próprio setor, enquanto que os outros são externos.

Como aplicar as 5 Forças de Porter?

Ao aplicar esse modelo para analisar o cenário em que a sua empresa se encontra, você precisa considerar seu negócio de uma maneira bastante abrangente. Por isso, é necessário responder a algumas questões:

  • Como é a rivalidade entre os concorrentes?

É importante conhecer os concorrentes diretos ao fazer a análise. Vale a pena destacar que o simples fato de ter outra empresa vender o mesmo produto que a sua nem sempre significa que ela é uma concorrente, porque pode atender públicos diferentes.

  • Quais produtos podem substituir o que a sua empresa vende?

Mesmo que você acredite que tem um produto inovador, provavelmente existem outros produtos que pode substituir o seu.

É importante listar todos eles.

  • Qual o poder de barganha dos fornecedores?

Estar preso a somente alguns fornecedores é complicado para qualquer empresa, porque, nesse cenário, são os fornecedores que decidem o custo e a entrega dos produtos, bem como a qualidade deles.

Além disso, o fornecedor pode começar a vender para um concorrente, o que é prejudicial para a sua empresa.

Vale a pena pesquisar bons fornecedores e construir um relacionamento de parceria.

  • Como evitar ou dificultar a entrada de novos concorrentes?

Essa nem sempre é uma pergunta analisada, mas deveria ser pensada pelos empreendedores.

Algumas formas de criar barreiras são colocar contratos de exclusividade, patentes e marcas registradas e fortes.

  • Qual o poder de barganha dos clientes? Se você depende de poucos consumidores, acaba tendo problemas.

O melhor é ter um público mais amplo. Além disso, é preciso cuidar com as redes sociais, que se tornam um espaço de forte barganha para os clientes.

Assim, você já sabe o que precisa fazer para analisar de acordo com as 5 forças de Porter e ter mais sucesso para a sua empresa.

Pode-se observar que estratégia é a base de uma formulação de um plano de ação de uma empresa.

São junções de melhorias e criação de métodos para o bom desempenho de uma organização que perdure a longo prazo.

É a reorganização de ações voltadas para o mercado com o objetivo de gerar vantagem competitiva frente aos demais concorrentes.

Frente a isso, um conceito muito importante foi desenvolvido por Porter, que mesmo com as freqüentes mudanças que tanto o mercado, como as empresas e o poder de compra dos consumidores foram se alterando com o tempo.

O modelo das Cinco Forças de Poter sempre foi e ainda é utilizado para que as empresas descubram todos os fatores influenciadores de sua gestão.

O modelo das 5 forças de Porter  foi criado na década de 1970 com o objetivo de verificar o nível de atratividade de determinado setor da economia.

Considerando as forças competitivas (que serão especificadas a seguir), é possível identificar os fatores que interferem na competitividade, sejam eles externos, sejam internos.

Isso significa que o modelo de Porter foi criado especialmente para avaliar o nível de concorrência entre diferentes empresas de um mesmo segmento.

Com o resultado da análise, você pode definir a melhor forma de entrada no mercado e qual deve ser seu posicionamento perante a concorrência, clientes e fornecedores.

É importante destacar que esse modelo é válido para qualquer tipo de empresa, independentemente do setor em que atua e do porte que tenha.

Ao aplicar esse modelo para analisar o cenário em que a sua empresa se encontra, você precisa considerar seu negócio de uma maneira bastante abrangente.

Por isso, é necessário responder a algumas questões:

  • Como é a rivalidade entre os concorrentes? É importante conhecer os concorrentes diretos ao fazer a análise. Vale a pena destacar que o simples fato de ter outra empresa vender o mesmo produto que a sua nem sempre significa que ela é uma concorrente, porque pode atender públicos diferentes.
  • Quais produtos podem substituir o que a sua empresa vende? Mesmo que você acredite que tem um produto inovador, provavelmente existem outros produtos que pode substituir o seu. É importante listar todos eles.
  • Qual o poder de barganha dos fornecedores? Estar preso a somente alguns fornecedores é complicado para qualquer empresa, porque, nesse cenário, são os fornecedores que decidem o custo e a entrega dos produtos, bem como a qualidade deles.
  • Além disso, o fornecedor pode começar a vender para um concorrente, o que é prejudicial para a sua empresa. Vale a pena pesquisar bons fornecedores e construir um relacionamento de parceria.

5 forças de porter no planejamento estratégico

O modelo propõe ao gestor compreender cinco contextos (ou as cinco forças), nos quais uma empresa está inserida.

Vale salientar que este instrumento não foca em uma análise macro ambiental (fatores econômicos, tecnológicos, político-legais e sócio demográficos), por outro lado seu campo de análise são os fatores estritamente ligados a concorrência.

5 forças de poter

Nos próximos parágrafos vamos debater quais são e como as 5 forças de Porter interferem diretamente no seu planejamento estratégico.

Quais as 5 forças competitivas de porter?

Esses cinco fatores influenciam de forma importante na elaboração estratégica das empresas que, por sua vez, devem estar atentas a essas informações referentes ao ambiente interno e externo a ela, pois no mercado globalizado, as informações são um fator que deve ser levado em consideração como um dos principais na gestão estratégica de um negócio.

A análise dos cinco fatores desenvolvida por Porter significa elaborar estratégias de acordo com o macroambiente, permitindo às empresas lucratividade e melhor capacidade de servir aos clientes.

  • 1° Força: Rivalidade entre os concorrentes.
    Cada tipo de setor apresenta um comportamento singular quando o assunto é a concorrência entre as empresas.

As empresas do setor de cosméticos não competem iguais companhias do setor farmacêutico.

Muitas vezes, até empresas do mesmo setor não competem entre si, simplesmente por não focarem o mesmo público.

Exemplificando: a Mercedez-Benz, dificilmente se preocupará com a Volkswagem, ainda que atuem no setor de automóveis, pois seus públicos-alvo são totalmente diferentes.

O exercício, para este momento, seria entender como funciona a rivalidade entre os concorrentes do ambiente competitivo de sua organização.

O professor Porter não enrijece o conceito de concorrência como algo somente negativo.

Para isto, ele estabelece a noção de cluster.

O termo diz respeito a empresas que concorrem diretamente ou indiretamente, porém estabelecem vínculos de cooperação para aumentar a sua performance no mercado.

A fim de facilitar o nosso entendimento utilizaremos o exemplo do Vale do Silício.

Localizado na Califórnia, Estados Unidos, a região foi desenvolvida para abrigar empresas de base tecnológica.

Apple, Google, Facebook, eBay e entre outras são alguns dos exemplos encontrados no Vale.

Apesar da concorrência direta entre algumas dessas empresas, a criação deste Cluster facilitou o desenvolvimento de novas inovações e a criação de novos negócios.

Existem casos de empresas concorrentes que se unem para comprar de um único fornecedor, isto pode ajudar na negociação dos preços e formas de pagamento.

Resumindo, a rivalidade entre os concorrentes não é para ser visto com dualidade.

Análise as outras empresas com um olhar crítico.

Levante os pontos em comum entre vocês e estabeleça as principais diferenças.

Desta forma você saberá como posicionar o seu planejamento estratégico quando o assunto for a concorrência.

  • 2° Força: Produtos e serviços substitutos.
    Para facilitar o conceito desta segunda força, responda a seguinte pergunta: Quais são os problemas que seus produtos e serviços solucionam?

Respondeu! Agora pense: existem outras soluções, no mercado, para os mesmos problemas?

Possivelmente, você consiga encontrar outros produtos e serviços que ofereçam recursos parecidos com o seu. Pois bem, esses são uma ameaça direta ao seu desempenho no seu mercado de atuação.

Antigamente, as empresas de jogos para games nunca pensariam que um dos seus concorrentes seriam as fabricantes de jogos para smartphones.

Atualmente, os consumidores destes produtos pensam se preferem comprar um celular de última geração ou um console específico para jogar os seus games.

Uma dica é fazer uma lista dos problemas que seus produtos resolvem.

Feito este passo, enumere todos os possíveis produtos e serviços que possibilitam a resolução dos mesmos problemas, isto pode te fornecer uma visão geral sobre o seu próprio negócio.

Exemplificando: um proprietário de uma empresa de ônibus, na qual transporta passageiros de uma cidade para outra, não pode achar que os seus únicos concorrentes são as empresas que também possuem ônibus e fazem seu serviço da mesma maneira.

Existem outros tipos de empresas com produtos e serviços diferentes que também podem solucionar os mesmos problemas das mesmas pessoas.

  • 3° Força: Poder de barganha dos fornecedores.
    Nesta parte da análise é verificado qual o poder que seu fornecedor tem sobre o seu negócio.

Vamos supor que sua empresa depende de um único fornecedor para repor suas matérias-primas.

Logo, este fornecedor tem um grande poder de barganha sobre a sua empresa e, com isso, ele estabelece os preços, as formas de negociar, as condições de pagamento e entre outros fatores.

Caso você esteja inserido neste contexto, é importante pensar em formas reais de prospectar novas fontes de fornecimento.

Do contrário, você estará fadado a depender das estratégias de seus fornecedores e não das suas.

Um outro passo importante a ser tomado é estabelecer vínculos reais de parceria com os seus fornecedores.

Recentemente, li uma reportagem sobre a forma como o Pão de Açúcar se relaciona com os seus fornecedores de alimentos orgânicos.

A organização fornece aos produtores ajuda de profissionais especializados, nos quais auxiliarão os fornecedores orgânicos com informações sobre plantio, logística e comercialização.

Sendo assim, o Pão de Açúcar consegue integrar as atividades dos seus fornecedores com os resultados reais da empresa.

Inclua na estratégia de sua empresa meios de encontrar novos fornecedores ou criar relações de proximidade com os atuais.

  • 4° Força: Ameaça de novos entrantes.
    Já ouvi alguns empresários dizerem o famoso dito popular, “o sol nasceu para todos”, ao se referirem a outros empreendedores quando resolvem iniciar um negócio semelhante ao dele.

Porém, para Porter, o gestor deve colocar um guarda-sol bem grande para tampar este sol.

Quanto mais barreiras um empresário colocar diante dos novos entrantes, maior será a sua vantagem no seu mercado de atuação.

Novos empreendimentos trazem novas aptidões, novos recursos estratégicos e propostas de valor totalmente diferentes da sua, sendo assim crie formas de dificultar a entrada destas novas empresas.

Vale destacar que por mais que as barreiras colocadas por você pareçam intransponíveis, uma hora alguém descobrirá como transpor elas.

Por isso, elabore diferentes modos dificultar o acesso de novos entrantes.

Um exemplo de barreira característico da indústria farmacêutica é o registro de patentes para determinados tipos de medicamentos.

A empresa detentora do registro consegue por algum tempo uma vantagem significativa no seu mercado de atuação.

  • 5° Força: Poder de barganha dos clientes.
    Semelhante ao poder de barganha dos fornecedores, esta parte da análise procura entender a força que seus clientes possuem sobre o seu negócio.

Com o avanço das redes sociais, os consumidores aumentaram seu poder de negociação sobre as empresas.

Atualmente, os estrategistas devem possuir um foco maior na forma do seu cliente pensar, sentir e agir.

O ideal ao analisar esta força competitiva é descobrir meios de atender as expectativas dos clientes atuais da melhor maneira possível e explorar novos meios de se conseguir outros potenciais compradores de seus produtos e serviços.

Quanto mais públicos diferentes uma determinada empresa atende, mais força ela tem sobre os seus clientes.

Depois da análise, as forças que implicam diretamente o setor de atuação de uma empresa, bem como a competitividade e a forma de ação, os gestores devem estar aptos a preparar suas estratégias.

Os mesmos devem estar preparados para suportarem os resultados da análise e saber como lhe dar com fatores que influenciarão negativamente o bom andamento da empresa e saber lhe dar com as fraquezas reais que em vez de ser omitidas,

devem ser trabalhadas para que as mesmas virem forças reais da empresa, mesmo sabendo que transformar um fator de fraqueza em fator de força não é uma tarefa fácil, mas também não a torna impossível de cumprir.

A importância das 5 forças de porter

O objetivo das cinco forças é gerar para a empresa retornos de rendimentos, podendo variar de acordo com cada empresa e cada ramo.

Há algumas indústrias onde um fator determina a forma de como ela trabalhará ou poderá estar ativamente fortalecida com os cinco potenciais.

Nesse sentido, as cinco forças determinam a rentabilidade da indústria porque influenciam os preços, os custos e o investimento necessário das empresas em uma indústria – os elementos de retorno sobre o investimento .

Porter aplica esses conceitos baseados nas forças preço e lucro, pelas quais a indústria se desenvolve de acordo com suas forças internas e o ambiente de forças fracas do ambiente gerando oportunidade para aumentar os lucros.

O modelo das 5 forças de Porter foi desenvolvido para analisar a concorrência entre empresas.

Seu funcionamento considera cinco fatores – as cinco forças competitivas – que devem ser detalhadamente avaliados para que daí surja uma estratégia empresarial eficaz.

Lembre-se de que os empreendedores mais destacados são aqueles obcecados por superar a concorrência, e por isto nunca perdem sua atenção no comportamento dela.

Tomemos o fundador do Walmart, Sam Walton: lá no começo, quando ele só tinha uma loja pequenina, costumava visitar a loja concorrente que ficava na frente, todos os dias pela manhã – e só depois ia para a sua.

Então, antes de abrir, elaborava promoções e fazia anúncios que invariavelmente eram melhores do que os do rival.

Outro exemplo clássico é o que nos dá o economista e professor Theodore Levitt em seu famoso artigo “Miopia em Marketing”, publicado nos anos 1960.

“No texto, Levitt afirma que empresas ferroviárias não cresceram no século 20 aquilo que haviam crescido no anterior por entenderem que estavam no mercado de ferrovias, e não no de transportes”.

Esta concepção errônea afeta muitos empreendedores até hoje.

5 forças de porter

É uma visão estreita, que pode comprometer toda a análise das cinco forças de Porter e, em consequência, o desempenho de uma empresa.

Por isto, não subestime os substitutos.

É sempre bom lembrar que o processo de análise das 5 forças de Porter é trabalhoso e um tanto demorado.

Agora que você já está mais familiarizado com a ferramenta, quanto antes começar, melhor. Então, mãos à obra!

A análise das Cinco Forças de Porter é um dos exercícios mais utilizados na segmentação de mercado, seja para abertura de um novo negócio ou para definição de uma nova estratégia.

Essa análise tem como objetivo avaliar a atratividade de cada segmento específico.

Ao utilizar o modelo das Cinco Forças de Porter, os gestores terão mais condições de tomar decisões estratégicas para a empresa, identificando riscos inerentes de um determinado segmento, como a dependência de um único fornecedor ou ameaças que possam surgir através de fortes concorrentes.

Características de Empresas que Aplicam as 5 Forças de Porter

O principal objetivo do modelo das Cinco forças de Porter é deixar claro para os gestores como cada elemento de um mercado pode influenciar, de forma positiva ou negativa, o seu próprio negócio.

A Análise das 5 Forças de Porter se tornou um clássico da administração.

Para desenvolver a análise é preciso refletir sobre cinco contextos em que a empresa está inserida, chamadas por Porter de forças.

Em seu modelo, ele considerou que há uma força central e outras quatro, que impactam a central de formas diferentes.

INDICADO PARA organizações de todos os tamanhos.

SERVE PARA analisar o ambiente competitivo em que a organização está enquadrada e para determinar o melhor posicionamento do negócio diante dos concorrentes.

É ÚTIL PORQUE o empreendedor passa a ter uma visão mais abrangente da concorrência e de como pode tirar proveito disso.

Você sabe qual é o nível de competitividade do seu negócio no mercado?

Ter a resposta desta pergunta é de fundamental importância para identificar qual é o posicionamento da sua empresa no nicho de atuação e melhorá-lo, atraindo a preferência do seu público-alvo e aumentando a sua margem de lucros, que é o objetivo maior de qualquer empreendimento.

As 5 forças de Porter estão entre as ferramentas mais indicadas para mensurar o nível de competitividade da sua empresa.

O modelo das 5 forças de Porter foi criado com a finalidade de analisar a concorrência entre as empresas.

O funcionamento das cinco forças considera os fatores competitivos, que precisam ser analisados de forma detalhada para que a partir daí surja uma estratégia empresarial eficaz.

As 5 forças de Porter são consideradas uma das ferramentas mais úteis do mundo dos negócios, uma vez que possibilita ao empresário ter uma visão mais ampla em relação à sua concorrência e como tirar proveito disso.

Sendo assim, a análise das 5 forças de Porter é muito importante para que uma empresa possa definir a forma que vai se posicionar no mercado, como deve enfrentar a concorrência, além de saber como se relacionar com os fornecedores e clientes.

Clique no link abaixo e conheça a ferramenta que irá transformar os resultados dos seus colaboradores.

>> Clique Aqui e conheça o Software Avaliação Gratuitamente <<

5 Forças de Porter: A Sua Empresa Forte Contra a Concorrência!17 min read
5 (100%) 10 votes


E-book Grátis

Descubra os 10 passos infalíveis para uma Avaliação de Desempenho Perfeita.

Informe seu e-mail ao lado

100% livre de spam.