Obsolescência Programada | Comprar, Descartar, Comprar: Essa É A Lei!15 min read


A obsolescência programada é um dos principais problemas com o atual modelo de produção e consumo da economia linear, em oposição a um sistema de economia circular sustentável.

A obsolescência programada ou planejada refere-se ao encurtamento deliberado da vida útil de um produto pelo fabricante para aumentar o consumo. Trata-se de um sério problema ambiental para o planeta.

Todos os anos, são gerados mais de 50 milhões de toneladas de lixo eletrônico, uma porcentagem muito alta, em torno de 85%, geralmente descartada aleatoriamente, acabando em montanhas de resíduos nos países em desenvolvimento, criando riscos ao meio ambiente e à saúde das pessoas, animais e plantas.

Para combater a obsolescência programada, que também é onerosa para os consumidores que precisam renovar seus produtos com maior frequência, existem várias iniciativas, incluindo uma diretiva da União Europeia, certificação para o prolongamento da vida útil dos produtos e programas específicos de ONGs.

Depois de anos de pressão, o problema da obsolescência programada ganhou terreno na arena legislativa da Europa quando, em 4 de julho de 2017, o Parlamento Europeu aprovou a sua Resolução sobre uma vida mais longa para produtos: benefícios para consumidores e empresas.

Graças a este ato, os usuários de dispositivos eletrônicos poderão reparar seus terminais com qualquer prestador de serviços simplesmente, sem a necessidade de recorrer ao serviço técnico oficial do fabricante.

A diretiva também inclui incentivos fiscais para produtos baseados na qualidade, durabilidade e facilidade de reparo.

Esta diretiva visa reduzir a quantidade de resíduos eletrônicos gerada por cada país da União Europeia e desafiar a tendência atual entre os fabricantes de introduzir projetos e componentes que são cada vez mais difíceis de reparar ou substituir sem ferramentas especializadas.

Além da legislação europeia, alguns países também estão criando seus próprios marcos legais para antecipar a obsolescência programada.

O caso mais conhecido é na França, onde, depois de uma prolongada batalha política, multas de até 300 mil euros e penas de prisão de dois anos podem agora ser aplicadas a fabricantes que planejam que seus aparelhos parem de funcionar depois de algum tempo.

obsolescência programada

O Nascimento da Obsolescência Programada

Pode não haver nada tão americano quanto o consumismo. Em todo o mundo, para melhor ou pior, a identidade americana está ligada a Big Macs e SUVs.

Mesmo antes da Segunda Guerra Mundial, algumas empresas começaram a adotar o que um influente livro de 1932 denominou desperdício criativo – a ideia de que jogar coisas fora e comprar novas poderia alimentar uma economia forte.

Seus autores, Roy Sheldon e Egmont Arens, identificaram o desejo de bens de consumo cada vez mais modernos como algo único na América, com seus enormes recursos naturais. “Ainda temos encostas cobertas por árvores para desmatar e lagos subterrâneos de petróleo para explorar”, escreveram eles.

Na década de 1930, muitas famílias ainda estavam economizando para sua primeira geladeira ou carro. Mas, com o boom econômico dos anos de guerra, os argumentos de Sheldon e Arens rapidamente se tornaram mais relevantes.

A renda familiar média dobrou em termos reais entre 1939 e 1945. Logo, as famílias de classe média tinham todos os televisores, carros e eletrodomésticos que queriam.

Na década de 1930, a pioneira consumista Sears Roebuck começou a introduzir um novo modelo de refrigerador a cada ano. Embora todos fossem essencialmente a mesma máquina, aparatos visuais de progresso desejados pelos consumidores, mantiveram as vendas em alta.

Em meados da década de 1950, o tempo médio de propriedade dos carros havia caído de cinco anos em 1934 para apenas dois. O objetivo era diminuir esse tempo para um ano.

O problema para as empresas agora se tornava continuamente estimular a vontade de comprar, como argumentou J. Gordon Lippincott no livro Design for Business.

“Qualquer método que possa motivar o fluxo de mercadorias para novos compradores criará empregos e trabalhará para a indústria e, consequentemente, para a prosperidade nacional”, escreveu Lippincott.

“Nosso costume de comercializar nossos automóveis todos os anos, de ter um novo refrigerador, aspirador de pó ou ferro elétrico a cada três ou quatro anos é economicamente viável.”

Para uma classe média em ascensão nos anos 1950, as posses, particularmente carros, tornou-se uma forma de divulgar a posição social de uma família.

A indústria gentilmente produziu uma gama de projetos em diferentes faixas de preço, desde Chevrolets a Cadillacs e mudou visivelmente a aparência dos carros a cada um ou dois anos.

Quando os anos 50 chegaram ao fim, uma resposta crítica emergiu à obsolescência programada. Em três livros populares, o autor Vance Packard descreveu profissionais de marketing psicologicamente manipulando consumidores para comprar produtos inferiores e desnecessários.

Mas então, apenas alguns anos depois, os primeiros baby boomers atingiram a idade adulta. Embora alguns deles surjam como críticos do consumismo e do uso insustentável dos recursos naturais, em geral, a primeira geração criada na prosperidade do pós-guerra ajudou a consolidar a obsolescência programada como um motor da economia americana.

Como Funciona a Obsolescência Programada

A obsolescência programada é quando um produto é deliberadamente projetado para ter uma vida útil específica. Isso geralmente é um tempo de vida reduzido.

O produto foi projetado para durar o tempo suficiente para desenvolver a necessidade duradoura de um cliente. O produto também é projetado para convencer o cliente de que o produto é um produto de qualidade, embora precise ser substituído.

Dessa forma, quando o produto falhar, o cliente desejará comprar outra versão atualizada. Tomemos por exemplo uma máquina de lavar roupa.

Obsolescência programada significa que a máquina de lavar roupa é projetada para durar cerca de dois anos, antes de quebrar fora do tempo de garantia.

A maioria dos componentes / peças foi fabricada com materiais de qualidade, com exceção de algumas partes vitais. Dois anos após a compra, a lavadora de roupas só precisará de reparos menores e baratos.

No entanto, entre 4 a 5 anos as peças vitais começam a se desgastar e uma máquina de reposição é necessária. Para que a obsolescência programada funcione, o cliente deve ter confiança suficiente no fabricante / empresa, para substituir a máquina de lavar original pela moderna máquina equivalente, do mesmo fabricante.

A obsolescência programada às vezes é projetada em um produto, a fim de incentivar o cliente a comprar a próxima atualização. Um bom exemplo disso é um celular.

Os telefones celulares são geralmente projetados tendo em mente apenas a tecnologia atual, apesar do conhecimento dos fabricantes sobre futuros desenvolvimentos tecnológicos.

Por exemplo, um telefone celular pode ter plugues USB / conexões que se encaixam nos produtos atuais, como fones de ouvido e computadores.

Isso significa que o telefone não é uma prova do futuro. O fabricante pode já estar trabalhando em telefones atualizados, que se conectam usando diferentes tamanhos de portas / conexões USB.

Embora o telefone atual possa ser atualizado com o software, eventualmente, os conectores USB antigos tornarão o produto fora de linha. O cliente precisará de um novo telefone, mesmo que não haja nada de errado com o telefone existente. O telefone antigo fica obsoleto.

Designers seguindo a filosofia de Built In Obsolescence – construído em obsolescência, perguntam a si mesmos, “como um produto pode ser projetado de forma a quebrar muito rapidamente, mas ainda deixar a confiança do cliente no produto e no fabricante intactos?”.

A obsolescência programada é considerada ruim para o meio ambiente, porque leva a que os produtos sejam despejados pelos clientes, para que novos produtos atualizados possam ser adquiridos.

O dilema que os bons designers enfrentam é projetar produtos desejáveis, com componentes / peças que possam ser reciclados ou reutilizados, quando o produto é jogado fora, por consumidores amantes do modismo e estilos, mas conscientes.

A obsolescência programada é às vezes deliberada e abertamente incorporada em produtos por razões de segurança. É o caso dos alimentos, por exemplo, onde vender e usar por datas é um guia para o varejista e cliente, destacando quando um produto alimentar é seguro para ser consumido.

Outros exemplos são os talheres descartáveis e os frascos de refrigerantes, que são fabricados de forma barata e projetados para serem usados uma vez ou duas vezes.

Estes produtos são às vezes fabricados a partir de polilactídeo biodegradável (PLA), que pode ser jogado fora e ainda é seguro para o meio ambiente.

A Lâmpada Reinventada

As lâmpadas como um produto, são um dos estudos de caso mais emblemáticos da obsolescência programada. Thomas Edison inventou lâmpadas comercialmente viáveis por volta de 1880.

Essas primeiras lâmpadas incandescentes – inclusive a Centennial Light – contavam com filamentos de carbono em vez do tungstênio, que entrou em uso generalizado quase 30 anos depois.

Parte da razão pela qual a Centennial Light perseverou por tanto tempo, especulam os cientistas, é porque seu filamento de carbono é oito vezes mais espesso e, portanto, mais durável que os finos fios de metal em lâmpadas incandescentes posteriores.

Inicialmente, as empresas instalaram e mantiveram sistemas elétricos inteiros para suportar a iluminação baseada em lâmpadas nas residências dos novos e ricos adotantes da nova tecnologia.

Visto que os consumidores não estavam dispostos a pagar pelas unidades de reposição, as empresas de iluminação procuravam produzir lâmpadas que durassem o maior tempo possível.

O modelo de negócios mudou, no entanto, à medida que a base de clientes de lâmpadas cresceu mais em massa. Maiores somas de dinheiro poderiam ser obtidas, segundo as empresas, tornando os bulbos descartáveis e colocando os custos de reposição nos clientes.

ssim nasceu o cartel de Phoebus na década de 1920, representado por  fabricantes de lâmpadas de topo em todo o mundo, como a alemã Osram, a Associated Electrical Industries e a General Electric (GE) nos Estados Unidos através de uma subsidiária britânica.

Este cartel conspirou para reduzir artificialmente a vida útil das lâmpadas 2.500 para 1.000 horas. Os detalhes da fraude surgiram décadas depois em investigações governamentais e jornalísticas.

O cartel é o exemplo mais óbvio das origens da obsolescência programada porque os documentos foram realmente encontrados. A prática surgiu depois, em todos os tipos de outras indústrias também.

Por exemplo, a concorrência entre a General Motors e a Ford no mercado automobilístico da década de 1920 fez com que a primeira introduzisse as agora conhecidas mudanças do modelo de ano em seus veículos.

A GM tinha sido pioneira em uma maneira de induzir os clientes a ostentar o mais recente e melhor carro, para se satisfazer e impressionar aqueles em seus círculos sociais.

Era um modelo para toda a indústria. Embora o termo obsolescência programada não tenha entrado em uso comum até a década de 1950, a estratégia permeou as sociedades consumistas.

obsolescência programada

Obsolescência Programada – Vou Muito Bem, Obrigada!

Em várias formas muitas vezes sutis, a obsolescência programada ainda existe. Da chamada durabilidade inventada, onde as peças frágeis se desgastam, até os reparos custarem mais do que os produtos de reposição, as melhorias estéticas que enquadram as versões mais antigas dos produtos, os fabricantes de bens não têm escassez de truques para continuar abrindo as carteiras dos clientes.

Para um exemplo totalmente moderno, considere smartphones. Esses aparelhos geralmente são descartados após alguns anos de uso. Telas ou botões quebrados, baterias descarregadas ou seus sistemas operacionais, aplicativos e assim por diante, de repente não podem mais ser atualizados.

No entanto, uma solução está sempre à mão: novos modelos de celulares, lançados a cada ano ou mais, e anunciados como os melhores de todos os tempos.

Como outro exemplo de obsolescência programada estão os cartuchos de impressora. Microchips, sensores de luz ou baterias podem desabilitar um cartucho antes que toda a sua tinta seja realmente consumida, forçando os proprietários a comprar unidades totalmente novas e a preços nem tão acessíveis.

Assim, a obsolescência programada parece um desperdício. De acordo com a Cartridge World, uma empresa que recicla cartuchos de impressoras e oferece reposições mais baratas, só na América do Norte, 350 milhões, nem mesmo vazios, de cartuchos acabam em aterros anualmente. Além do desperdício, toda essa produção extra também pode degradar o ambiente.

Uma Visão Diferenciada

Embora alguns desses exemplos de obsolescência planejada sejam notórios, é excessivamente simplista condenar a prática como algo errado.

Em uma escala macroeconômica, a rápida rotatividade de bens impulsiona o crescimento e cria grandes quantidades de empregos.

Além disso, a introdução contínua de novos widgets para ganhar ou reconquistar a massa de novos e antigos clientes tenderá a promover a inovação e melhorar a qualidade dos produtos.

Como resultado desse ciclo vicioso, mas virtuoso, a indústria tornou inúmeros bens baratos e, portanto, disponíveis para quase todos os países ricos do Ocidente, o Extremo Oriente, e cada vez mais no mundo. Muitos de nós desfrutamos de confortos inimagináveis há um século.

obsolescência programada

Não há dúvida sobre isso. Mais pessoas tiveram uma melhor qualidade de vida como resultado de nosso modelo de consumidor do que em qualquer outro momento da história.

Infelizmente, também é responsável pelo aquecimento global e pelo lixo tóxico. A obsolescência programada não é totalmente exploradora, pois beneficia tanto o consumidor quanto o fabricante.

As empresas adaptam a durabilidade de seus produtos de acordo com as necessidades e expectativas dos clientes. Por exemplo: roupas infantis. Quem compra roupas super duráveis ​​para seus filhos?

Dependendo da idade, as crianças podem ficar sem roupas algumas vezes em apenas alguns meses. Não é tão ruim, então, que as roupas possam manchar, rasgar ou sair de moda com relativa facilidade, desde que sejam acessíveis.

O mesmo argumento pode ser aplicado a produtos eletrônicos de consumo. A inovação implacável e a competição por participação de mercado significam que as tecnologias subjacentes nos smartphones, por exemplo, continuam avançando, com processadores mais rápidos, câmeras melhores e assim por diante.

Se alguma vez houve verdadeira obsolescência, é em tecnologia. É quase como se a tecnologia cuidasse de si mesma – isso se tornará obsoleto, quer você goste ou não.

Muitos proprietários podem, portanto, gostar de pagar menos por um smartphone adiantado cujas baterias, digamos, não podem mais ser cobertas em três anos.

Como a tecnologia está evoluindo tão rapidamente, muitas pessoas não vão valorizar a vida útil de uma bateria mais durável.

O Futuro da Obsolescência Programada

Da mesma forma, embora existam claramente exemplos em contrário, alguns acadêmicos de negócios acham que é um pouco exagerado presumir que muitas empresas estão envolvidas planejando como projetar com precisão um produto para se autodestruir.

Se você tem um mercado que é competitivo, então a expectativa de vida do produto é certamente algo que as empresas competem.

Para muitos produtos, não é como se os consumidores não fossem experientes o suficiente para tentar escolher produtos que não seriam, em breve, obsoletos.

Existem forças que poderiam encorajar os fabricantes a aumentar o tempo de vida. No mercado automobilístico, todo mundo pensa e analisa a rapidez com que este carro se deprecia em relação aos outros. De fato, nessa arena, os carros agora permanecem na estrada por mais tempo do que antes.

A indústria automobilística há anos era uma espécie de negócio voltado para a moda, onde seu carro tinha barbatanas e, cinco anos depois, as barbatanas estavam fora de moda.

E como a consciência ambiental das quantidades terríveis de resíduos gerados por uma cultura descartável aumentou, os bens de consumo podem se tornar menos descartáveis.

O Projeto Ara do Google, por exemplo, está desenvolvendo um dispositivo parecido com um smartphone com seis slots para trocar componentes tecnologicamente desatualizados, em contraste com o armazenamento tradicional de todo um smartphone antigo.

Uma abordagem voltada para os negócios para uma reciclagem, reutilização e redirecionamento mais inteligentes certamente causará um grande impacto no futuro.

Por exemplo, a Tesla, fabricante de automóveis elétricos, tem planos de recuperar as baterias usadas nos carros de seus clientes e redirecioná-las para o armazenamento de energia em casa.

A empresa também faz o download automático e atualiza o software nos carros de seus clientes enquanto os veículos carregam durante a noite.

A empresa planeja antecipadamente esse tipo de atualização, incluindo sensores e hardware “basicamente à prova de futuro” no veículo.

A ideia da empresa é: em vez de vender modelo após modelo do carro, a Tesla está sempre alterando o software. Então, isso é um antídoto para a obsolescência programada que, de certa forma, torna a obsolescência obsoleta.

Clique no link abaixo e conheça a ferramenta que irá transformar os resultados dos seus colaboradores.

>> Clique Aqui e conheça o Software Avaliação Gratuitamente <<

 

Obsolescência Programada | Comprar, Descartar, Comprar: Essa É A Lei!15 min read
Qual pontuação você daria?


E-book Grátis

Descubra os 10 passos infalíveis para uma Avaliação de Desempenho Perfeita.

Informe seu e-mail ao lado

100% livre de spam.