Protocolo De Kyoto | O Guardião Do Meio Ambiente15 min read


O Protocolo de Kyoto, também conhecido como o Acordo de Kyoto, é um tratado internacional entre nações industrializadas que estabelece limites obrigatórios para as emissões de gases do efeito estufa.

O efeito estufa é o resultado do aquecimento do sol sobre determinados gases, como o dióxido de carbono, que atuam para capturar esse calor em nossa atmosfera.

Quanto mais desses gases existir, mais calor é impedido de escapar para o espaço e, consequentemente, mais a terra aquece.

Embora o efeito estufa seja necessário para a sobrevivência na Terra, uma superabundância de emissões de gases aumenta o aquecimento global além do desejável.

O objetivo do Protocolo de Kyoto é estabilizar as emissões geradas pelo homem em um nível que não cause mais danos à atmosfera.

O tratado inicial foi assinado em Kyoto, no Japão, em 1997. Esse acordo delineou metas de emissões. A implementação exigia que os membros participantes criassem políticas e medidas para reduzir e compensar as emissões domésticas e aumentar a absorção de gases de efeito estufa.

Outras especificações no Protocolo de Kyoto incluíam requisitos para prestação de contas, conformidade e relatórios. Esse acordo expirou no final de 2012.

Os membros concordaram com uma extensão do protocolo, com vigência de 2013 a 2020.O Protocolo de Kyoto é supervisionado pela Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC).

No final de 2013, todos os estados membros da ONU, exceto Andorra, Canadá, Sudão do Sul e Estados Unidos haviam assinado e ratificado o tratado. Todas as 28 nações da União Europeia também assinaram o acordo.

protocolo de kyoto

Objetivos do Protocolo de Kyoto

No documento, há um cronograma em que os países são obrigados a reduzir, em 5,2%, a emissão de gases poluentes, entre os anos de 2008 e 2012, primeira fase do acordo.

Os gases citados no acordo são: dióxido de carbono, gás metano, óxido nitroso, hidrocarbonetos fluorados, hidrocarbonetos perfluorados e hexafluoreto de enxofre. Estes últimos três são eliminados principalmente por indústrias.

A emissão destes poluentes deve ocorrer em vários setores econômicos e ambientais. Os países devem colaborar entre si para atingirem as metas. O protocolo sugere ações comuns como, por exemplo:

  • Aumento no uso de fontes de energias limpas, como biocombustíveis, energia eólica, biomassa e solar;
  • Proteção de florestas e outras áreas verdes;
  • Otimização de sistemas de energia e transporte, visando o consumo racional;
  • Diminuição das emissões de metano, presentes em sistemas de depósito de lixo orgânico;
  • Definição de regras para a emissão dos créditos de carbono, que são certificados emitidos quando há a redução da emissão de gases poluentes.

Diferentes Responsabilidades

De acordo com o Protocolo de Kyoto, as obrigações de redução incidiriam apenas sobre os países do Anexo I do Protocolo, que são os países de industrialização antiga, hoje desenvolvidos.

Ou seja, as responsabilidades eram comuns – redução global da emissão de gases do efeito estufa, mas diferenciadas: países desenvolvidos e países em desenvolvimento teriam responsabilidades diferentes.

Os países industrializados apresentaram muita resistência até chegar a versão final do acordo, já que reduzir emissão de gases do efeito estufa poderia significar custos adicionais para suas economias. Os desafios eram, por essa razão, muito complexos.

Países em desenvolvimento, apesar de não se comprometerem diretamente com essas reduções, também foram responsáveis pelo aumento dos índices de emissão, já que suas economias passaram a crescer e a se industrializar mais.

Esse foi o caso da China, da Índia e do Brasil, por exemplo, que não estavam limitando suas emissões proporcionalmente ao crescimento de suas economias nos últimos anos.

Para os países em desenvolvimento, também havia a preocupação com o alinhamento entre crescimento econômico e a responsabilização pelas consequências do efeito estufa.

Alguns dos países em desenvolvimento que se recusaram a assumir responsabilidades, estavam contribuindo cada vez mais para a emissão de GEE – Gases do Efeito Estufa.

Já os países desenvolvidos acreditavam que as responsabilidades de redução deveriam ser divididas por toda a comunidade internacional, mesmo com a sua industrialização tendo acontecido antes de outros países.

Posição do Brasil

Na Conferência de Estocolmo em 1972, o Brasil, governado pelos militares, ficou mal visto perante a comunidade internacional, quando se colocava contrário às preocupações ambientais, alegando que a pobreza era grande e que não tinha condições econômicas de abrir mão do uso que fazia dos recursos naturais e da poluição.

Em 1992, o país se reconcilia com o mundo e sedia a Rio 92. O Brasil é hoje um ator importante no cenário mundial. Com relação às mudanças climáticas tem participado ativamente das discussões.

Em 1998, assinou o documento e o ratificou em 2002, por meio do Decreto Legislativo n. 144.

Seguindo o Mandato de Berlim o Brasil enviou Propostas, para a elaboração do Protocolo. A COP3 foi uma reunião diferente no cenário mundial, porque pela primeira vez se tratou os países como iguais, respeitando suas diferenças.

Foi durante esta Conferência das Partes que se aplicou, plenamente, o mencionado “princípio da igualdade entre os países”, ou “princípio da responsabilidade comum, porém diferenciada entre os países”.

Foi exigido que os países desenvolvidos tomem a iniciativa de reduzir suas emissões, na medida em que os países em desenvolvimento possam aumentar suas emissões para atender às suas necessidades de desenvolvimento e alívio da pobreza.

Embora não seja País Parte do Anexo I, onde constam países desenvolvidos, que durante 150 anos de industrialização, contribuíram para aquecimento global, e estão, pelo Protocolo de Kyoto, obrigados a reduzir suas emissões, o Brasil tem feito grandes esforços neste sentido.

Como parte dos países Não-Anexo I, o Brasil pode participar através de projetos de Mecanismos de Desenvolvimento Limpo, podendo gerar recursos com a venda de “créditos de carbono”, que por sua vez, podem ser utilizados em investimentos de tecnologia limpa, com o intuito de diminuir as emissões de GEE.

Posição dos EUA

Os Estados Unidos negaram-se a ratificar o Protocolo de Quioto, de acordo com a alegação do ex-presidente George W. Bush de que os compromissos acarretados por tal protocolo interfeririam negativamente na economia norte-americana.

Além disso, a Casa Branca também questiona a teoria de que os poluentes emitidos pelo homem causem a elevação da temperatura da Terra, pois acredita na linha da comunidade científica que atribui esse fenômeno a um processo natural.

Tal comunidade defende que o planeta Terra está numa fase de transição natural, um processo longo e dinâmico, saindo da era glacial para a interglacial, sendo o aumento da temperatura consequência desse fenômeno.

Mesmo o governo dos Estados Unidos não assinando o Tratado, alguns municípios, Estados e donos de indústrias do nordeste dos Estados Unidos já começaram a pesquisar maneiras para reduzir a emissão de gases promotores do efeito estufa, tentando, por sua vez, não diminuir sua margem de lucro com essa atitude.

Créditos de Carbono

Em julho de 2001, o Protocolo de Kyoto foi referendado em Bonn, Alemanha, quando abrandou o cumprimento das metas previstas anteriormente, através da criação dos sumidouros de carbono.

Segundo essa proposta, os países que tivessem grandes áreas florestadas, que absorvem naturalmente o CO2, poderiam usar essas florestas como crédito em troca do controle de suas emissões.

Crédito de carbono é uma unidade de medida. É o crédito dado a alguém ou a uma entidade se reduzir suas emissões de GEE em 1 unidade.

Este é o mecanismo de flexibilidade fornecido através do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) sob o Protocolo de Kyoto.

Esses créditos de carbono são negociados entre / transferidos de países não-anexos, isto é, países em desenvolvimento, para os países do anexo-1, os países desenvolvidos.

Em termos simples, os países / entidades que não conseguem reduzir suas emissões em seus negócios de maneira econômica em seu país de origem, podem investir em projetos limpos, que reduzem as emissões, nos países em desenvolvimento.

As reduções de emissões podem ser certificadas e os créditos obtidos podem ser negociados ou transferidos para os países em desenvolvimento.

Sob o Mecanismo de Desenvolvimento Limpo, projetos de redução de emissões em países em desenvolvimento podem ganhar créditos certificados de redução de emissões.

Esses créditos vendáveis ​​podem ser usados ​​pelos países industrializados para cumprir uma parte de suas metas de redução de emissões no âmbito do Protocolo de Kyoto.

O mecanismo estimula o desenvolvimento sustentável e as reduções de emissões, ao mesmo tempo em que dá aos países industrializados alguma flexibilidade na forma como cumprem suas metas de limitação de redução de emissões.

O MDL é a principal fonte de renda do Fundo de Adaptação da UNFCCC, que foi criado para financiar projetos e programas de adaptação nas Partes países em desenvolvimento do Protocolo de Kyoto, que são particularmente vulneráveis aos efeitos adversos da mudança climática.

protocolo de kyoto

Alvos de ligação

A característica central do Protocolo de Kyoto é a exigência de que os países limitem ou reduzam suas emissões de gases de efeito estufa. Ao estabelecer tais metas, as reduções de emissões assumiram valor econômico.

Para ajudar os países a cumprir suas metas de emissões e incentivar o setor privado e os países em desenvolvimento, os negociadores do Protocolo incluíram três mecanismos baseados no mercado – comércio de emissões, mecanismo de desenvolvimento limpo (MDL) e Implementação Conjunta.

O mecanismo de desenvolvimento limpo foi projetado para atender a um objetivo duplo:

  • Ajudar os países desenvolvidos a cumprir seus compromissos de reduzir as emissões e
  • Ajudar os países em desenvolvimento a alcançar o desenvolvimento sustentável.

Os projetos de MDL ganham créditos de redução de emissões certificados comercializáveis ​​e vendáveis ​​que podem ser usados ​​pelos países industrializados para cumprir uma parte de suas metas.

Os benefícios desses projetos incluem investimento em projetos de mitigação de mudança climática em países em desenvolvimento, transferência ou difusão de tecnologia nos países anfitriões, bem como melhoria no sustento das comunidades através da criação de emprego ou aumento da atividade econômica.

Principais Fontes de Energia Limpa

Embora fontes de energia não-renováveis, como gás, petróleo e carvão, ainda sejam responsáveis pela maior parte da produção global de energia, o setor de energia renovável tem feito grandes progressos.

No entanto, ainda precisamos ir além para perceber um setor de energia sustentável e acessível que seja suficiente para atender às nossas necessidades.

A população mundial está se expandindo, o número de carros e aparelhos que possuímos está aumentando, e ainda há vários pontos fracos quando se trata de segurança energética, ou seja, nossa dependência de combustíveis fósseis sujos, uma infraestrutura envelhecida e custos voláteis de combustível.

A boa notícia é que as tecnologias de energia renovável estão provando ser soluções viáveis para o futuro. Essas soluções de energia limpa vão de um carregador de gadget solar portátil a uma instalação solar residencial no telhado a um enorme parque eólico em escala de grade.

Estas não são apenas escolhas economicamente viáveis, mas também estão rapidamente se tornando mais baratas do que as fontes de energia convencionais.

Embora haja um número de diferentes tecnologias de energia renovável em andamento, um punhado de empresas maduras domina o setor e provavelmente serão os principais participantes nos próximos anos.

Os mais visíveis dos líderes são energia solar e eólica, mas a energia hidrelétrica também é um recurso renovável há muito tempo.

E, embora a biomassa seja relativamente nova, pelo menos no que diz respeito à conscientização, ela também é uma solução viável para uma variedade de aplicações.

Energia eólica

Aproveitar a energia do vento tem evoluído a partir dos moinhos de vento do passado, e agora essa fonte de energia limpa é um concorrente sério no setor elétrico.

Embora existam turbinas eólicas menores, adequadas para alimentar algumas casas ou empresas rurais, a maior parte da ação é em instalações de grande escala.

A indústria de energia eólica capitalizou os avanços nas tecnologias de turbinas e geradores, bem como as inovações em materiais e design, elevando a produção.

A taxa de adoção de energia eólica nos EUA colocou o vento claramente na liderança para novas fontes de eletricidade colocadas on-line no ano passado, de acordo com a American Wind Energy Association. Em algumas regiões ventosas, a energia eólica é na verdade gratuita para alguns moradores.

Um dos benefícios da energia eólica, além de sua capacidade de gerar eletricidade limpa economicamente, é que após o investimento de capital inicial, os insumos financeiros são mínimos e as turbinas eólicas são essencialmente livres de combustível pelo resto de sua vida útil, o que pode ser décadas.

Essa longevidade e a viabilidade econômica tornam a energia eólica um grande trunfo para a segurança energética de um país.

Embora possa haver variações na produção devido às condições climáticas locais, o rápido crescimento do setor de armazenamento de energia das baterias, juntamente com a integração de outras fontes de energia renováveis intermitentes, pode ajudar a suavizar o fornecimento de eletricidade da rede.

Energia solar

Um dos tipos mais populares de energia renovável é a energia solar. Ela abastece todo o nosso planeta com a energia que precisamos para sobreviver.

Usando painéis solares, podemos colher energia diretamente da luz do sol e convertê-la em eletricidade que alimenta nossas residências e empresas.

A energia solar também pode ser usada para produzir água quente ou carregar sistemas de baterias. A energia solar tem benefícios tanto para seu bolso quanto para o meio ambiente.

O custo da energia solar está constantemente diminuindo, e este tipo de instalação lhe trará economia durante sua vida útil.

Além disso, produzir energia solar não polui nem libera combustíveis fósseis, o que significa que você pode reduzir drasticamente o impacto ambiental.

Hidroeletricidade

Nós podemos produzir energia renovável a partir de água em movimento, assim como podemos a partir do ar em movimento.

A energia é gerada quando a água em movimento passa por uma turbina, girando-a para produzir eletricidade. Isso geralmente acontece em grandes represas ou cachoeiras, onde a água cai significativamente na elevação.

Muitas fontes de energia renovável ainda não causaram um impacto significativo no mix global de eletricidade, mas a energia hidrelétrica já é uma grande protagonista.

A energia hidroelétrica também é uma fonte de energia não poluente, já que não há emissões geradas por usinas hidrelétricas.

No entanto, a energia hidrelétrica tem um impacto ambiental maior do que algumas outras fontes renováveis ​​de energia, porque ela pode alterar os níveis de água, correntes e caminhos de migração para peixes e outras formas de vida de água doce.

protocolo de kyoto

Biomassa

Energia de biomassa refere-se a qualquer energia produzida a partir de matéria orgânica viva, como plantas ou animais.

A biomassa é um recurso renovável porque as plantas podem ser regeneradas com relativa rapidez e crescem usando energia renovável do sol.

Combustíveis como o etanol e o biodiesel, ambos usados em carros e caminhões, também vêm da biomassa.

Combustíveis de biomassa também são considerados neutros em carbono, o que significa que eles não colocam dióxido de carbono extra na atmosfera.

Isto é assumido como verdadeiro porque, em princípio, desde que novas plantas sejam cultivadas sempre que as plantas forem colhidas e queimadas para obter energia, as novas absorverão o carbono produzido pela combustão, levando a nenhum carbono extra adicionado à atmosfera.

No entanto, a recuperação da vida vegetal leva tempo e o grau em que o combustível de biomassa é verdadeiramente neutro em carbono, é discutido.

O Que Podemos Esperar Para o Futuro?

A primeira fase do Protocolo de Kyoto terminou em 2012, mas o acordo continua válido e está em sua segunda fase, que vai até 2020.

Apesar das novas metas que foram estabelecidas nesse novo momento, até o início de 2015 apenas 23 países tinham aderido ao Acordo.

Ainda não se sabe o que o Protocolo de Kyoto deixará para as futuras gerações. A próxima reunião entre líderes globais para discutir as mudanças climáticas – Conferência das Partes – COP, foi realizada em 2015, em Paris.

Seu resultado foi o maior tratado climático da história, o Acordo de Paris, que tem como objetivo limitar o aumento da temperatura mundial em menos de 2ºC.

Para alcançar esse objetivo, os países integrantes do Acordo devem adotar, a partir de 2020, medidas para reduzir as emissões de carbono na atmosfera.

Deverão agir de acordo com as bases de cooperação internacional estabelecidas pelo Tratado de Paris, que prevê a adoção de compromissos nacionais conhecidos como Contribuições Nacionalmente Determinadas .

Clique no link abaixo e conheça a ferramenta que irá transformar os resultados dos seus colaboradores.

>> Clique Aqui e conheça o Software Avaliação Gratuitamente <<

 

Protocolo De Kyoto | O Guardião Do Meio Ambiente15 min read
Qual pontuação você daria?


E-book Grátis

Descubra os 10 passos infalíveis para uma Avaliação de Desempenho Perfeita.

Informe seu e-mail ao lado

100% livre de spam.