Terceiro Setor | O Bem-Estar Social Em Primeiro Lugar16 min read


O terceiro setor é um termo genérico que abrange uma gama de diferentes organizações com diferentes estruturas e finalidades, não pertencendo nem ao setor público, ou seja, o estado, nem ao setor privado – empresa privada com fins lucrativos.

Você pode ter ouvido outros termos usados ​​para descrever o terceiro setor, como: o setor voluntário, organizações não-governamentais, organizações sem fins lucrativos.

Todos esses termos descrevem organizações que compartilham os mesmos elementos fundamentais:

  • Não-governamentais

Embora trabalhem frequentemente com ou ao lado de agências governamentais e possam receber verbas ou comissões do governo, as organizações do terceiro setor são independentes do governo.

  • Sem fins lucrativos

Organizações do terceiro setor levantam fundos e geram excedentes financeiros para investir em objetivos sociais, ambientais ou culturais. Elas não procuram obter lucros como um fim em si mesmo. São orientadas por valores.

As organizações do terceiro setor buscam metas específicas que geralmente estão alinhadas com perspectivas sociais e políticas específicas.

Elas podem estar associados ou trabalhar com partidos políticos, mas um partido político não é uma organização do terceiro setor.

Organizações do terceiro setor incluem: caridades, organizações voluntárias e comunitárias, empresas sociais, cooperativas e institutos de pesquisa privados.

Em particular, instituições sem fins lucrativos são entidades legais ou sociais criadas com o propósito de produzir bens e serviços cujo status não permite que sejam uma fonte de renda, lucro ou outros ganhos financeiros para as unidades que as estabelecem, controlam ou financiam.

O setor voluntário refere-se a organizações que são voluntárias em um duplo sentido: são não-estatutárias e não são empresas.

terceiro setor

A teoria do terceiro setor

Durante muito tempo, as ciências sociais negligenciaram o papel do terceiro setor e deram mais ênfase às agências estatais e empresas de mercado.

Isso começou a mudar gradualmente na década de 1980 e muitos dos ensaios agora clássicos da teorização do terceiro setor estão na importante coleção de ensaios de Walter Powell, o setor sem fins lucrativos.

O volume aborda algumas das questões teóricas centrais: por que organizações sem fins lucrativos existem em economias de mercado e em democracias competitivas? Como eles diferem das empresas e agências estatais em termos de comportamento e impacto?

Essas questões continuam a moldar a agenda de pesquisa no campo. Uma teoria particular, conhecida como teoria da heterogeneidade, baseia-se na noção de falha de mercado / fracasso do governo na economia.

Essa linha de pensamento pressupõe que os mercados têm uma limitação inerente à produção de bens públicos, isto é, bens que estão disponíveis para todos, independentemente de pagarem por eles.

Essa falha de mercado justifica a presença do governo, que existe para satisfazer a demanda por bens deixados insatisfeitos pelo sistema de mercado.

Em uma democracia, o governo só pode desempenhar esse papel quando a maioria dos eleitores apoia a produção de um bem público específico.

Onde existem diferenças consideráveis ​​nas preferências dos eleitores sobre quais bens públicos produzir, e quais não, pode ser difícil gerar tal apoio majoritário, deixando a demanda insatisfeita por bens públicos como consequência.

Tal falha do governo é mais provável onde uma heterogeneidade considerável, sendo religiosa, linguística ou étnica, existe em uma população.

Em tais circunstâncias, o estabelecimento de associações voluntárias e outros tipos de organizações sem fins lucrativos serve tanto como veículo de ação coletiva na formação de interesses quanto como um mecanismo para suprir os bens públicos que nem o Estado, nem o mercado oferecem.

Um corpo de teoria relacionado vê associações voluntárias não apenas como um reflexo da heterogeneidade da demanda.

Em vez disso, a teoria enfatiza o papel dos empreendedores sociais e políticos que buscam maximizar retornos não monetários, ou seja, seguidores, crentes ou membros.

De acordo com essa teoria do lado da oferta, a presença de tais empreendedores é mais provável em sociedades com altos níveis de competição religiosa ou divisões ideológicas básicas dentro da população.

Em tais circunstâncias, os ativistas têm um incentivo para formar associações voluntárias como uma maneira de atrair adeptos à sua causa, oferecendo serviços que esses possíveis adeptos possam achar atraentes, como saúde, educação ou eventos culturais.

Uma terceira abordagem baseia-se na noção de assimetrias de informação nas economias de mercado. Em muitas transações, os consumidores não têm as informações necessárias para avaliar a qualidade dos produtos ou serviços que estão adquirindo.

Isso pode ocorrer porque o comprador não é a mesma pessoa que o consumidor, porque o serviço em questão é inerentemente complexo e difícil de avaliar, ou as contribuições de alguns são difíceis para combinar com os benefícios obtidos para muitos.

Nesses casos, os compradores ou membros buscam bases alternativas para confiar no desempenho da liderança ou na qualidade do serviço resultante.

Associações voluntárias oferecem uma solução para esse dilema de confiança. Por causa da restrição de não distribuição, ou seja, a proibição de distribuição de lucros aos proprietários, as associações voluntárias podem ser mais confiáveis ​​e mais propensas a atender as necessidades do cliente ou dos membros.

Consequentemente, o status sem fins lucrativos das associações voluntárias funciona como uma proxy para o mercado, sinalizando confiança na qualidade do produto.

Outra Linha de Pensamento

Uma quarta abordagem enfatiza o quanto as associações voluntárias estão inseridas na dinâmica social, econômica e política das sociedades.

Assim, sua evolução não pode ser atribuída a nenhum fator isolado, como a demanda insatisfeita por bens públicos ou a oferta de empreendedores sociais.

Em vez disso, o surgimento de associações voluntárias na sociedade moderna está enraizado na estrutura mais ampla das relações de classe e estado-sociedade.

Alguns sugerem quatro tipos de regime de setores voluntários, cada um com uma constelação particular de forças sociais, especificamente a importância social e econômica do estado, medida em termos de gastos sociais, e o escopo geral da sociedade civil, medido como o tamanho do voluntariado ou atividade do setor.

O regime estatista combina atividade estatal limitada e um setor voluntário fraco. Encontra-se em sociedades nas quais o Estado assume um papel de controle e onde as elites cooptam a classe média, reduzindo, assim, o nível de organização fora da estrutura do Estado e do mercado, sendo o Japão o exemplo mais proeminente.

O modelo liberal caracterizado pela atividade estatal limitada, mas um sistema bem desenvolvido de associação voluntária, é encontrado em países como os Estados Unidos e a Grã-Bretanha.

Em contraste, o padrão social-democrata em países como a Suécia é caracterizado por níveis relativamente altos de gastos sociais com o governo e setores relativamente pequenos sem fins lucrativos em termos econômicos, mas com um componente voluntário muito ativo em termos de número de associações e membros.

Finalmente, no modelo corporativista, tanto o estado quanto o setor voluntário trabalham em cooperação entre si, em que o Estado assume o papel de financiador das atividades oferecidas pelas associações voluntárias.

Um exemplo típico é a Alemanha, onde uma vasta rede de organizações religiosas ajuda a implementar programas financiados pelo governo.

O Que Faz o Terceiro Setor

Normalmente, a maioria das organizações do terceiro setor se dedica a uma questão específica que precisa ser resolvida, por exemplo, mudanças climáticas ou moradias inacessíveis.

Ou para um grupo particular na sociedade, por exemplo, pessoas com problemas de demência, ou mulheres que enfrentam barreiras culturais à educação, que precisam de apoio e representação.

Elas podem fornecer serviços relacionados a esses problemas, como administrar um abrigo para mulheres ou fornecer aconselhamento jurídico.

Algumas organizações podem trabalhar em uma ampla gama de questões, mas aplicam um filtro filosófico e político específico. Seu foco talvez seja local, nacional ou global.

Organizações do terceiro setor tentam alcançar seus objetivos através de uma ampla gama de atividades. Algumas, como arrecadação de fundos, prestação de serviços ou fornecimento de outras formas de apoio direto e aconselhamento aos grupos que ajudam.

No entanto, as organizações do terceiro setor geralmente também querem apoiar a assistência direta com mudanças sistêmicas ou de longo prazo, envolvendo mudanças nas políticas locais, nacionais ou internacionais relevantes.

Elas buscam trazer essas mudanças de política de muitas maneiras diferentes, e todas oferecem oportunidades potenciais de colaboração ou contribuição acadêmica.

terceiro setor

Realizar ou encomendar pesquisas

Muitas organizações do terceiro setor empregam seus próprios pesquisadores ou contratam pesquisadores independentes ou acadêmicos para realizar investigações sobre assuntos que afetam os grupos e problemas com os quais lidam.

Além disso, elas também procurarão divulgar amplamente tais pesquisas nos meios acadêmicos existente e emergente em campos relevantes.

A pesquisa ajuda as organizações do terceiro setor a identificar questões emergentes nas quais elas deveriam se concentrar e fornece evidências para respaldar suas propostas de políticas e campanhas. Essa é uma maneira óbvia pela qual sua pesquisa pode fazer uma diferença real.

Campanhas públicas

As organizações do terceiro setor também visam aumentar a conscientização pública e moldar as percepções do público sobre questões específicas.

Elas fazem isso por meio de campanhas públicas que podem usar uma variedade de mídias tradicionais e sociais para transmitir sua mensagem.

Essas campanhas podem ser direcionadas ao público em geral, ou podem ser direcionadas a determinados grupos ou setores, e isso afetará as estratégias de mídia e os tipos de plataforma escolhidos.

As organizações do terceiro setor querem que essas campanhas sejam tão confiáveis quanto possível, portanto, essa é outra área em que a pesquisa acadêmica ou um ponto de vista acadêmico podem ter um grande valor.

Lobby

As organizações do terceiro setor buscam a mudança de políticas, fazendo lobby junto aos políticos e influenciando funcionários do governo responsáveis pelas áreas de políticas que afetam os grupos ou questões que elas representam.

Dependendo da área de interesse da organização, ela podem fazer lobby junto aos parlamentares locais ou ao ministro responsável, apresentar provas a comitês selecionados ou a órgãos governamentais locais ou nacionais.

Este é outro ponto em que sua pesquisa pode ser valiosa: as organizações do terceiro setor precisam de evidências para apoiar suas ações recomendadas e podem colaborar com acadêmicos em uma apresentação ou briefing conjunto.

Organizações do Terceiro Setor

Atividades ligadas ao Terceiro Setor ocupam mais de 5% dos postos de trabalho oferecidos no mundo, mas, em países como a Holanda, superam os 12%.

Em números absolutos, o setor envolve, aproximadamente, 20 milhões de funcionários remunerados e cerca de 15 milhões de voluntários espalhados pelo mundo.

Nos países desenvolvidos, segundo dados da ONU, o Terceiro Setor movimenta cerca de 6% do PIB e emprega mais de 12 milhões de pessoas.

A popularização da internet tem facilitado a divulgação do trabalho dessas entidades e a formação de redes de informação e solidariedade, acelerando o crescimento do número de trabalhadores voluntários e a arrecadação de dinheiro.

Conheça um pouco sobre a histórias de algumas dessas organizações.

UNICEF

UNICEF é a sigla do Fundo das Nações Unidas para a Infância. Anteriormente, de 1946 1953 era chamado de Fundo de Emergência Internacional das Nações Unidas, programa especial das Nações Unidas – ONU.

Esta organização é dedicada a ajudar os esforços nacionais para melhorar a saúde, nutrição, educação e bem-estar geral das crianças.

O UNICEF foi criado em 11 de dezembro de 1946 pela Assembleia Geral das Nações Unidas, para proporcionar alívio a crianças em países devastados pela Segunda Guerra Mundial.

Além disso, seu principal objetivo na época era fornecer alimentos e leite em pó para crianças famintas na China, Europa e Oriente Médio e oferecer assistência humanitária a mães e crianças em países do terceiro mundo.

Depois de 1950, o fundo direcionou seus esforços para programas gerais de melhoria do bem-estar das crianças, particularmente em países menos desenvolvidos e em várias situações de emergência.

O programa do UNICEF foi tão bem-sucedido, que no ano de 1953 tornou-se parte permanente do Sistema das Nações Unidas e seu acrônimo, UNICEF, tornou-se o nome oficial da organização.

Pouco depois de 1953, o UNICEF começou a trabalhar pela proteção, sobrevivência e desenvolvimento de meninos e meninas em 190 nações e regiões ao redor do mundo.

O UNICEF recebeu o Prêmio Nobel da Paz em 1965 e o Prêmio Príncipe das Astúrias em 2006 por seu trabalho contínuo para crianças carentes em todo o mundo.

O UNICEF concentrou grande parte de seus esforços em áreas nas quais gastos relativamente pequenos podem ter um impacto significativo na vida das crianças mais desfavorecidas, como a prevenção e tratamento de doenças.

De acordo com esta estratégia, o UNICEF apoia programas de imunização para doenças infantis e programas para prevenir a propagação do HIV / SIDA. Também fornece financiamento para serviços de saúde, instalações educacionais e outros serviços de assistência social.

Desde 1996, os programas do UNICEF foram guiados pela Convenção sobre os Direitos da Criança, que afirma o direito de todas as crianças a “gozar do mais alto padrão de saúde atingível e a facilidades para o tratamento de doenças e reabilitação de saúde”.

Os fundos são levantados de maneiras diferentes para sustentar a missão da organização de ajudar todas as crianças cujas vidas estão em risco.

Garante dinheiro de doações e tenta engajar o maior número possível de pessoas para se voluntariar em eventos e programas de arrecadação de fundos, além de pedir doações.

Presença internacional do UNICEF

A organização opera em 190 países e regiões com 17 escritórios regionais que fornecem know-how tecnológico para outras agências.

A maioria dos governos desses países desenvolve programas com o UNICEF. A organização é gerenciada a partir de sua sede em Nova York.

O objetivo inicial da organização era fornecer cuidados médicos e alimentos de emergência para crianças e mães afetadas durante a Segunda Guerra Mundial.

Agora, ele se esforça para melhorar e salvar as vidas em todo o mundo, fornecendo cuidados de saúde, água potável, imunização, saneamento, ajuda de emergência e educação para crianças carentes.

O principal objetivo do UNICEF hoje é erradicar a morte infantil devido à desnutrição, fome, condições insalubres e doenças evitáveis.

A organização dedica-se a fazer o que for preciso para salvar as vidas de crianças em todo o mundo. Ela vai percorrer grandes distâncias para negociar o cessar-fogo em zonas de guerra para entregar alimentos, remédios e água a locais de difícil acesso.

Os líderes, médicos, funcionários e voluntários da organização trabalham de mãos dadas com corporações internacionais, governos, líderes cívicos, grupos escolares, organizações religiosas e celebridades para levar assistência às crianças carentes.

terceiro setor

Médicos Sem Fronteiras

A Medics Without Borders (MWB), ou Médicos Sem Fronteiras, é uma organização sem fins lucrativos que começou a fornecer programas de treinamento de emergência médica e programas de educação em saúde em Gana em 2008.

Desde o início, a organização se concentra em fornecer educação em saúde no país grupos que têm acesso direto e influenciam em grandes públicos.

Logo ficou claro que não é preciso apenas educação para criar conscientização na prevenção de doenças, mas uma participação ativa no fornecimento de serviços e produtos de saúde eficazes e eficientes para os pobres nas comunidades rurais de Gana.

Melhorar o estado de saúde da população rural exige uma abordagem multifacetada, uma vez que importantes fatores de saúde mental e socioeconômicos que determinam o bom estado de saúde também devem ser abordados.

A Médicos Sem Fronteiras está comprometida com a criação e desenvolvimento de comunidades rurais vibrantes e progressivas, onde todos possam ter acesso a cuidados de saúde de qualidade, saúde mental, serviços de aconselhamento, cuidados de final de vida, boa educação para crianças e uma oportunidade para o desenvolvimento socioeconômico.

Através da rede internacional de médicos voluntários de classe mundial, enfermeiros, assistentes médicos, cirurgiões e outros provedores médicos, a Médicos Sem Fronteiras realiza atividades humanitárias, educacionais, de companheirismo e de caridade na implantação de medicina preventiva e tecnologia médica de emergência em países pobres e em desenvolvimento.

Além disso, a organização promove a criação de infraestruturas sustentáveis que incentivem a capacitação local e o desenvolvimento profissional em promoção da saúde e medicina preventiva.

Desafios Para o Terceiro Setor

Apesar de progressos significativos, o estudo do terceiro setor continua a enfrentar desafios consideráveis. A pesquisa sobre o terceiro setor agora considera mais o processo de comercialização de organizações sem fins lucrativos e a complexa relação com o governo, cada vez mais como parte de parcerias público-privadas.

O terceiro setor também está se tornando uma parte importante dos campos emergentes dos estudos da sociedade civil, do capital social e da globalização.

Clique no link abaixo e conheça a ferramenta que irá transformar os resultados dos seus colaboradores.

>> Clique Aqui e conheça o Software Avaliação Gratuitamente <<

 

Qual pontuação você daria?


E-book Grátis

Descubra os 10 passos infalíveis para uma Avaliação de Desempenho Perfeita.

Informe seu e-mail ao lado

100% livre de spam.