Macroeconomia | Como Ela Interfere Na Sua Organização15 min read


Macroeconomia é o estudo de economias inteiras. É a área de estudos das Ciências Econômicas preocupada com fatores econômicos globais ou de larga escala e como eles interagem nas economias.

O governo examina de perto a macroeconomia, porque seus objetivos – máximo emprego sustentável e inflação estável – são medidos e alcançados em nível de toda a economia, não em nível individual.

Macroeconomistas analisam questões como:

  • O que faz o ciclo de negócios flutuar;
  • O que faz o crescimento econômico subir e descer;
  • Como os preços são determinados;
  • Qual é a taxa de inflação e o que a determina;
  • O que é crescimento de produtividade;
  • E quais são os determinantes da produtividade.

É importante ressaltar que os macroeconomistas também estudam o papel do governo na determinação do ritmo de crescimento, a taxa de longo prazo do produto potencial de uma economia e a taxa de inflação.

A macroeconomia olha para o quadro geral de toda uma economia como um todo, que é formada do agregado dos componentes constituintes, em vez de empresas ou mercados individuais.

A macroeconomia prevê a renda nacional por meio da análise de fatores como o Produto Interno Bruto (PIB), o emprego, a deflação e a inflação e a posição do balanço de pagamentos.

Ela também lida com os instrumentos de política fiscal e monetária que regulam o desenvolvimento ou melhor, a condição da economia.

A macroeconomia gira em torno do desenvolvimento econômico, dos principais atores que facilitam e determinam a economia e dos ciclos de negócios que geram recessões, inflação e deflação, e como todos esses fatores estão relacionados ao desemprego e ao emprego.

macroeconomia

John Maynard Keynes: o Homem que Transformou a Macroeconomia

O economista britânico John Maynard Keynes é um dos pais da macroeconomia moderna e amplamente considerado um dos três economistas mais importantes de todos os tempos, junto com Adam Smith e Karl Marx.

Suas ideias abalaram a estrutura dominante da economia clássica e continuam a influenciar tanto a política econômica quanto a política fiscal dos governos ocidentais muitas décadas depois.

O cerne das opiniões de Keynes era que a política intervencionista do governo era necessária para combater os ciclos excessivos de altos e baixos na economia de uma nação.

Isso marcou uma mudança significativa de paradigma entre os economistas da época, muitos dos quais argumentaram pela interferência mínima do governo.

As ideias keynesianas começaram a ganhar popularidade durante a Grande Depressão quando muitas de suas propostas influenciaram os governos americano e britânico, particularmente as políticas de New Deal de Roosevelt.

E enquanto levou algum tempo para as ideias de Keynes se consolidarem, elas finalmente ganharam terreno e se tornaram uma escola dominante de macroeconomia pelos próximos 40 anos ou mais.

Teorias e Princípios da Macroeconomia de Keynes

O trabalho seminal de Keynes, Teoria Geral do Emprego, Interesse e Dinheiro, publicado em 1936, articulou o que mais tarde se tornaria conhecido como a base da macroeconomia moderna.

Isso desafiou o consenso estabelecido da época, que era de que uma economia se restauraria naturalmente ao pleno emprego após um período de retração.

Um dos princípios fundamentais que Keynes teorizou foi que a poupança e o investimento são determinados independentemente uns dos outros.

As taxas de poupança são determinadas pela propensão de consumir e investimento de uma sociedade por uma taxa esperada de retorno em relação às taxas de juros.

Ele também acreditava que a renda de uma nação é o agregado de seu consumo e investimento. Durante uma recessão, isso poderia criar uma espiral sem fim, à medida que as empresas investem menos, os empregos são perdidos, os consumidores gastam menos, as empresas têm ainda menos motivos para investir e assim por diante.

Portanto, em um período de desemprego e diminuição da produção, esses dois problemas são mais bem resolvidos aumentando-se o montante gasto em investimento e consumo.

De acordo com Keynes, é aí que entra o governo. Ele argumentou que era responsabilidade do governo intervir e usar as muitas ferramentas à sua disposição para estimular o investimento e o consumo.

Isso significou que, em tempos difíceis, os governos devem se engajar em gastos deficitários para estimular a atividade.

Isso levaria, consequentemente, a políticas como a redução das taxas de juros de longo prazo, projetos de obras públicas, gastos com infraestrutura e afins.

A implicação de que os déficits poderiam ser uma coisa boa para a economia foi bastante revolucionária na época.

Bretton Woods, Banco Mundial e FMI

As contribuições de John Maynard Keynes não terminaram aí. Quando a Segunda Guerra Mundial começou a diminuir, ele desempenhou um papel significativo nas negociações de Bretton Woods em 1944.

Junto com outros, Keynes defendeu o estabelecimento de um banco central mundial e de um órgão regulador da moeda internacional.

Keynes foi instrumental no processo de formação dos corpos, que mais tarde tomaria forma como o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional.

Ele também é conhecido pelo que foi considerado uma proposta mais abrangente de uma moeda de reserva mundial.

Em sua proposta, Keynes sugeriu usar o que ele chamou de Bancor como uma moeda de reserva mundial. O Bancor seria fixado em 30 commodities e encorajaria a estabilização dos preços das commodities e o equilíbrio comercial através da tributação das contas correntes.

Embora não adotada, a ideia tem periodicamente renovado as discussões até os dias atuais.

Equilíbrio de subemprego

Uma das proposições revolucionárias de Keynes foi que após um grande choque econômico – geralmente um colapso no investimento – não havia forças de recuperação automáticas em uma economia de mercado.

A macroeconomia continuaria encolhendo até alcançar algum tipo de estabilidade em um nível baixo. Keynes chamou essa posição de equilíbrio de subemprego.

Não se pode sempre confiar em novas invenções / inovações e outros estabilizadores econômicos naturais para arrastar uma economia de uma recessão.

O paradoxo da economia ajuda a explicar por que um aumento na poupança preventiva, ou seja, pessoas que buscam segurança, pode levar a uma queda na demanda e renda e a uma redução na produção, renda e riqueza.

Em outras palavras, os efeitos negativos do multiplicador e do acelerador podem arrastar a produção e o emprego na economia para um nível baixo, onde pode permanecer por algum tempo, a menos que haja algum estímulo externo para elevar a demanda e a produção novamente.

Em nível internacional, quando o desejo global de economizar excede a disposição global de investir o resultado, há uma contração na demanda e na produção mundiais, uma queda na renda e no emprego, o que acaba levando a poupança de volta ao equilíbrio com o investimento.

Indicadores de Análise da Macroeconomia de um País

Geralmente, existem quatro indicadores considerados os mais importantes quando se analisa o macro desempenho de um país:

  • Alterações de preço / inflação

É uma alteração no nível geral de preços de bens e serviços. Pode ser medido usando índices de preços como índice de preços de varejo – IPV e  índice de preços ao consumidor – IPC, que considera uma cesta básica de bens e analisam as mudanças no custo de comprar essa mesma cesta.

  • Balança comercial

É simplesmente o valor das exportações e importações. Também leva em conta a renda primária e secundária do exterior.

  • Crescimento econômico

Isto é geralmente medido em termos de crescimento do PIB – valor total de bens e serviços produzidos internamente, mas existem outras medidas que podem ser usadas, nomeadamente o PIB + rendimento líquido do exterior.

  • Desemprego

Existem várias maneiras de medir o desemprego, mas a mais simples é a contagem do requerente, que é o número de pessoas que reivindicam os subsídios de desemprego.

Deve-se ter cuidado ao comparar os países que usam a contagem de reclamantes, pois o requisito para benefícios de desemprego pode variar de país para país.

macroeconomia

Importância Teórica e Prática da Macroeconomia

Macroeconomia é economia agregativa que examina a inter-relação entre vários agregados, sua determinação e causas de flutuações.

Vários problemas nacionais, como a superpopulação, a inflação e a balança de pagamentos, sustentam as economias. O estudo da macroeconomia aborda questões, como:

  • Causas, efeitos e soluções de redundância geral;
  • O desempenho geral da economia em termos de renda nacional. Os dados de renda nacional ajudam a antecipar o nível de atividade fiscal e a entender a distribuição de renda entre diferentes grupos de pessoas;
  • Os recursos e capacidades de uma economia, criando maneiras de aumentar a renda nacional, aumentar a produtividade e oportunidades de emprego para melhorar a economia em termos de desenvolvimento monetário.
  • Políticas econômicas corretas tornando possível controlar os ciclos de negócios – inflação e deflação e, consequentemente, os surtos violentos e as recessões;
  • Consumo e poupança. A importância de poupar na economia nacional e o seu papel no investimento.
  • O comportamento de unidades individuais. Por exemplo, as razões para o aumento no custo de uma empresa ou não podem ser examinadas sem avaliar ou entender as condições de custo médio de toda a economia.

Outras Questões

A macroeconomia está voltada ao funcionamento de uma economia nacional, incluindo a determinação dos níveis de equilíbrio da renda e dos preços. Além das questões já mencionadas, também tem como escopo demandas relevantes, como:

  • Funcionamento de uma Economia

A análise macroeconômica é de suma importância para nos dar uma ideia do funcionamento de um sistema econômico.

É essencial para um conhecimento adequado e preciso do padrão de comportamento das variáveis agregativas, já que a descrição de um sistema econômico grande e complexo é impossível em termos de vários itens individuais.

  • Formulação de Políticas Econômicas

Os dias do laissez faire acabaram e a intervenção do governo em questões econômicas é um fato consumado. Os governos lidam não com indivíduos, mas com grupos e massas de indivíduos, estabelecendo assim a importância dos estudos macroeconômicos.

Por exemplo, durante a recessão, quando as máquinas ficam ociosas e os homens vagam de um lado para outro em busca de emprego, a macroeconomia ajuda a analisar as causas, levando à adoção de políticas adequadas para lidar com essa situação.

  • Entendimento da Microeconomia

O estudo da macroeconomia é essencial para a compreensão adequada da microeconomia. Nenhuma lei microeconômica poderia ser enquadrada sem um estudo prévio dos agregados.

Por exemplo, a teoria da empresa individual não poderia ter sido formulada com referência ao padrão de comportamento de uma única empresa, por mais representativo que fosse.

A teoria só foi possível após o padrão de comportamento de várias empresas ter sido examinado e analisado. Por exemplo, a floresta, apesar de uma agregação de árvores, não exibe o comportamento e as características de árvores individuais.

A microeconomia tem sido, e em certa medida, continua sendo uma selva de suposições especiais, casos especiais, medições insatisfatórias e teorização abstrata.

  • Entendendo e Controlando Flutuações Econômicas

Flutuações econômicas são uma característica da forma capitalista da sociedade. A teoria das flutuações econômicas pode ser entendida e construída apenas com a ajuda da macroeconomia, pois aqui temos que levar em consideração o consumo agregado, a poupança agregada e o investimento na economia.

Assim, somos levados a analisar as causas das flutuações na renda, na produção e no emprego, e tentamos controlá-las ou, pelo menos, reduzir sua gravidade.

  • Inflação e Deflação

Diferentes setores da sociedade são afetados diferentemente como resultado de mudanças no valor do dinheiro. A análise macroeconômica nos permite tomar certas medidas para neutralizar as influências adversas da inflação e da deflação.

  • Rendimento Nacional

Foi o estudo da macroeconomia que trouxe à tona a importância de entender a renda nacional e as contas sociais. Na microeconomia, tal estudo foi relegado a segundo plano.

É o estudo da renda nacional que nos permite saber que três quartos do mundo está vivendo em extrema pobreza. Sem um estudo da renda nacional, como resultado do desenvolvimento da macroeconomia, não foi possível formular políticas econômicas corretas.

  • Desenvolvimento Econômico

Como resultado de estudos avançados em macroeconomia, tornou-se possível dar mais atenção ao problema do desenvolvimento de países subdesenvolvidos.

O estudo da macroeconomia revelou não apenas as gritantes desigualdades de riqueza dentro de uma economia, mas também mostrou as grandes diferenças nos padrões de vida das pessoas em vários países, o que exige a adoção de medidas importantes para promover seu bem estar econômico.

  • Desempenho de uma economia

A macroeconomia nos ajuda a entender e analisar o desempenho de uma economia. Implica o estudo orientado a resultados, em termos de realizações reais e factuais.

As estimativas do Produto Nacional Bruto ou do Rendimento Nacional são usadas para medir o desempenho de uma economia ao longo do tempo, comparando a produção de bens e serviços num período em relação a outros.

A composição do PNB fornece informações sobre o quanto contribui cada setor da economia.

Natureza do Bem Estar Material
A macroeconomia nos permite estudar a natureza e o tamanho do bem estar material das nações. O problema de medir o bem estar social não é fácil.

Aqueles que estão interessados no bem estar material e social de todos devem estudar os problemas em seu cenário macroeconômico.

Isso aumenta a importância da macroeconomia porque, quando o objetivo principal dos estudos de economia é o bem estar de toda a sociedade, a economia torna-se o estudo da macroeconomia.

Macroeconomia e Investimentos

O investimento é gasto em bens de capital, por exemplo, novas máquinas, escritórios, novas tecnologias. O investimento é um componente da Demanda Agregada e também influencia o estoque de capital e a capacidade produtiva da economia, que é a oferta agregada de longo prazo.

Dentro da macroeconomia, vários fatores influenciam os investimentos. Alguns deles, são:

Taxa de juros

O investimento é financiado por poupança atual ou por empréstimo. Portanto, é fortemente influenciado pelas taxas de juros.

Altas taxas de juros tornam mais caro o empréstimo. Altas taxas de juros também dão uma melhor taxa de retorno de manter dinheiro no banco.

Com taxas de juros mais altas, o investimento tem um custo de oportunidade maior, porque você perde os pagamentos de juros.

A eficiência marginal do capital afirma que, para que o investimento valha a pena, precisa dar uma taxa de retorno mais alta do que a taxa de juros.

Se as taxas de juros são de 5%, um projeto de investimento precisa dar uma taxa de retorno de pelo menos 5% ou mais.

Com o aumento das taxas de juros, menos projetos de investimento serão lucrativos. Se as taxas de juros forem reduzidas, mais projetos de investimento valerão a pena.

macroeconomia

Avaliação

O tempo passa. Se uma empresa iniciou um projeto de investimento, é improvável que um aumento nas taxas de juros altere a decisão.

A empresa continuará a terminar o investimento. No entanto, isso os fará pensar duas vezes sobre futuros projetos de investimento. Portanto, mudanças nas taxas de juros podem levar tempo para ter um efeito.

As taxas de juros podem ser superadas pelas condições econômicas. Por exemplo, as taxas de juros podem ser reduzidas, mas o investimento pode cair devido à profunda recessão e à falta de vontade dos bancos em conceder empréstimos.

Pode ser barato pedir emprestado, mas, nessas circunstâncias, isso não será suficiente para incentivar o investimento.

Crescimento econômico

As empresas investem para atender à demanda futura. Se a demanda está caindo, as empresas reduzirão o investimento.

Se as perspectivas econômicas melhorarem, as empresas aumentarão o investimento, pois esperam que a demanda futura aumente.

Há fortes evidências empíricas de que o investimento é cíclico. Em uma recessão, o investimento cai e se recupera com o crescimento econômico.

Teoria do acelerador

A teoria do acelerador afirma que o investimento depende da taxa de mudança do crescimento econômico.

Em outras palavras, se a taxa de crescimento econômico aumentar de 1,5% ao ano para 2,5% ao ano, então esse aumento causará um aumento nos gastos com investimento, à medida que a economia estiver em alta.

A teoria do acelerador afirma que o investimento é dependente do ciclo econômico.

Clique no link abaixo e conheça a ferramenta que irá transformar os resultados dos seus colaboradores.

>> Clique Aqui e conheça o Software Avaliação Gratuitamente <<

 

 

Macroeconomia | Como Ela Interfere Na Sua Organização15 min read
Qual pontuação você daria?


E-book Grátis

Descubra os 10 passos infalíveis para uma Avaliação de Desempenho Perfeita.

Informe seu e-mail ao lado

100% livre de spam.